Filtro de óleo do motor Willys



Tô Bão !

Até meados do século XX, os motores de combustão interna dos carros não possuíam filtros de óleo. O primeiro carro a ter um deles foi o Jeep, na época da II Guerra Mundial. Naquelas circunstâncias, um filtro no Jeep seria interessante, diminuindo as trocas de óleo e a logística para fazer esse óleo chegar até o motor. Muito provavelmente alguns Jeep's tinham só o filtro trocado e o óleo completado, e olhe lá. Guerra é guerra...

Quem desenvolveu o filtro de óleo para o Jeep foi a Fram, e este foi chamado de Fram F3. Terminada a guerra, a Fram passou a oferecer o mesmo filtro para diversos carros, com ligeiras modificações em fixação e fechamento, conforme o "sub-modelo". No pós-guerra, a indústria estava voltada para materiais bélicos, e as filas para compras de carros novos eram enormes. Fazer o motor que se tinha rodar mais seria muito bem vindo para o momento. E para sempre também, pois o filtro de óleo inegavelmente amplia a vida útil do motor.


Esse mesmo filtro equipou todos os motores Willys no Brasil. Para seu funcionamento, parte do fluxo de óleo é desviado do motor, filtrado, e devolvido o óleo limpo, retornando em cima da engrenagem do comando de válvulas, através de um orifício roscado por meio de uma conexão, na chamada tampa das engrenagens de "distribuição", localizada na frente do motor. Por causa desse desvio, o Fram F3 é classificado como filtro by-pass.(Pronuncie bai-pas, aportuguesado e sem frescura, como é o Jeep)

Já vi muita gente perguntar como funciona o filtro de óleo Fram F3, do Jeep, da Rural. Quem não tem tanta intimidade com ele, e é zeloso e bom cuidador do Jeep, retira o elemento filtrante para troca e limpeza do filtro e não entende o funcionamento. Ele é muito simples, mas a dúvida maior é sempre no caminho do óleo para sair do filtro. é que normalmente, num motor mais velho, o pequeno furinho que tem no tubo central do filtro entope. E entope bonito, sendo até difícil de ver onde ele está numa olhada desatenta. é só desentupir que o filtro volta a funcionar. Esse furo é de pequena dimensão de propósito. é ele quem regula o fluxo de óleo que passa pelo filtro, não permitindo o filtro "roubar" uma quantidade maior de óleo, fazendo faltar para o funcionamento do motor. é um calibre, como um gicleur em um carburador. Vi em uma página americana que o diâmetro seria 0,050"(1,27mm), mas no filtro do Edwaldo, e o do Fuscão que estavam entupidos, limpei usando uma broquinha de 1/16"(1,59mm).

Sabe que nem tudo são flores, e esse filtro Fram F3 também tem poucas desvantagens, mas tem. São facilmente contornáveis, e não depreciam ele em nada:
- A principal é que ele é de difícil vedação. O seu copo é de um material muito macio, dútil. Isso é fácil de ver pelo grande embutimento que suporta na sua fabricação. E com isso é fácil empenar a circunferência da boca, o que pode causar um bom problema de vedação da tampa. Um desempeno nessa circunferência vem bem, e é fácil de ser feito, pois o material é mesmo macio. Desempena-se batendo com martelo, usando uma madeirinha como batente, devagar e com paciência, pois caso contrário, vai empenar em outro sentido. Mas, além disso, a borrachinha que acompanha os elementos não são de boa qualidade e são estreitas. Escorregam do lugar durante a montagem da tampa, e deixam uma passagem para o óleo sair. Uma prática que adotei no Edwaldo e na Faustina é jogar a borrachinha fora, e colocar em seu lugar um pedaço de câmara de ar fina, de moto ou carrinho de mão por exemplo. Um furo central na câmara permite a montagem no filtro, e o recorte do que sobra para fora da tampa com um estilete dá o acabamento. Não vaza, é rápido, invisível, não amola a gente. Usei a dita borrachinha umas três vezes, por pura insistência, pois nunca consegui fazer ela vedar.
- A segunda desvantagem do filtro Fram F3 é que ele deriva, desvia uma parte do óleo da linha de lubrificação, "roubando" um pouco de óleo do motor. O macetinho que vou explicar à seguir, que uso para deixar o óleo bem limpinho, também minimiza muito esse efeito. Mas no motor Willys isso não é motivo de preocupação, pois já está tudo dimensionado de fábrica, e mais que testado na prática.
-A última desvantagem é que esse filtro Fram F3 tem manutenção ligeiramente mais trabalhosa, mas nada que se alarmar. Convenhamos que é muito mais fácil retirar um cartucho de filtro, descartar e colocar outro. No Fram F3 você vai ter que limpar o copo do filtro também. Mas isso é fácil de ser feito, e se você for o dono do carro, fará com prazer. é um pequeno preço que se paga por ter uma filtragem melhor.

Peça importante desse filtro é o espaçador do elemento filtrante. Nem na Faustina e nem no Edwaldo tinha essa peça, e só fiquei sabendo da existência dela quando comprei o filtro de óleo do Idelgiro, e veio o espaçador junto. Ele deixa o elemento filtrante na posição correta, não deixando a aresta inferior do elemento filtrante encostar no copo do filtro. Na posição correta é formanda uma "bacia de decantação" na parte inferior. Não achei desenho e nem citação desse espaçador em lugar algum, em manual nenhum, e acho que por isso é que ele se perde com o tempo, pois não dão importância à ele. Somente num desenho em corte do filtro Fram F3 que encontrei, é que dá para ver o espaçador, mas nem nesse desenho tem indicação dele. Aprendi sobre ele quando comprei o filtro do Fuscão, que tinha esse espaçador. Só então fui estudar e raciocinar à respeito, e vi a importância dessa peça. Ai lembrei que em uma limpeza do filtro de óleo da Faustina, tinha maior quantidade de material lá em baixo, aquela gororoba que junta. Conclui que durante a montagem do filtro não desci ele completamente, deixando o espaço que o espaçador determinaria. Aproveitei que o espaçador estava na mão, e fiz dois outros para o Edwaldo e para a Faustina, que serão montados na próxima vez que eu for limpar os filtros deles. Fica minha sujestão que, se o filtro do seu Willys não tiver o espaçador, faça um. Ele é muito importante, apesar da aparência simplória. Os dados para confecção, que é muito fácil, coloco lá embaixo nas fotos, pois você vendo terá a certeza que é fácil mesmo. Tá lá embaixo, no final dessa página, com as medidas necessárias. Aconselho a colocar isso caso o seu filtro não tenha, é rápido e não te custará nada.

Agora vou contar sobre uma minha. Pode até parecer doideira, mas é um "pulo do gato", que não é propriamente minha invenção esse tipo de filtragem. Mas a implementação no motor Willys isso sim, é esse procedimento que inventei. Eu explico: Já ouviu falar de Frantz Filter ? Não confunda Frantz com Fram, pois só parece o nome. é um filtro by-pass também, que insere o conceito de micro-filtragem no óleo motor. E a micro-filtragem retém todos os finos, finíssimos, que ficam em suspensão no óleo: carbono ,que normalmente é duro, e partículas metálicas. Ele foi inventado por John Frantz em 1953, e se você não conhece vale um estudo sobre ele através da internet. Eu conheci o Frantz Filter em uma reportagem do Discovery Channel na década de 90 do século XX. No programa mostravam um taxi em Londres com um desses instalado, e ele já estava a mais de 100.000 Km sem troca de óleo. Só não falaram qual óleo era esse, mas que estava limpinho isso estava. é um acessório, e te garanto que dos bons, que em seu kit até inclui um adaptador para ser instalado no local do filtro de cartucho selado, mantendo o filtro de cartucho original funcionando e no seu lugar, se o motor o tiver. Com isso ele é adaptável em quase todo tipo de motor. Talvez já tenha escutado falar de Toilet Paper Oil Filter ? é o mesmo filtro Frantz, pois ele usa um refil muito parecido com um rolo de papel higiênico.

Já vi dissertações de americanos, pois lá esse filtro é muito difundido, que usam realmente rolos de papel higiênico nele, inclusive indicando marcas de papel higiênico que melhor se adequam. Retiram somente aquele miolinho de cartolina, adaptando um "elemento" mais em conta, fácil de encontrar, e não menos eficiente por isso. A filtragem nele se faz de forma axial, ou seja, de topo à topo do rolo. Isso não seria possível de ser feito usando um filtro Fram F3, original do motor Willys, pois esse usa a filtragem radial, com o óleo passando da parte externa para a interna do elemento do filtro.


Agora sim, me veio a idéia: Porque não implementar a micro filtragem no filtro Fram do motor Willys ? Pensei nisso um pouco antes de terminar a reforma da Faustina, e já coloquei para funcionar de cara, antes dela recomeçar a trabalhar. Com isso já tem mais de 10 anos que a Faustina roda com o filtro dessa forma. O Edwaldo também ganhou o mimo, com o motor novinho também, tendo rodado só 3.487 Km sem isso. Para tal, peguei a idéia dos gringos do norte de usar o "toilet paper", passei a mão em um rolo de papel higiênico, e enrolei no cartucho do elemento filtrante da Faustina. Enrolei até o limite de conseguir colocar ele no lugar. Deve dar em torno de 10 a 15mm de espessura. Tampei o filtro e pronto. O resultado? Depois de 10 anos de uso tenho a confiança de contar e posso garantir, é ótimo. O óleo da Faustina é trocado completamente limpo, às vezes com uma cor de caramelo levemente mais escura do que quando novo. Dá dó de jogar o óleo fora. Já o óleo do Edwado se mantém limpinho também, mas como ele tem rodado muito pouco, não vi o óleo dele na troca até hoje. Pela vareta de nível dá para ver a cor do óleo muito clara.

Gostei tanto do resultado dessa idéia, e vendo o mesmo filtro Fram F3 adaptado em um tanto de carro, incluindo a Porsche 356, inventei de colocar um filtro desses no Idelgiro, o Fuscão. O Ferdinand gostou muito desse filtro e instalou nas 356, e eu iria gostar até mais para o Idelgiro, inserindo a micro filtragem papelístia higiênica nele. Faço uma página da adaptação desse filtro no Fusca à parte, e coloco o link aqui quando pronta. E passou o tempo, e já está pronta, segue o link : Filtro de óleo no Motor do Fusca

Prá ser sincero, estou pensando em não mais trocar o óleo com 5.000 Km, como era feito, e sim com 10.000 Km. Para tal é só limpar o filtro a cada 3.333,3 Km (notou a precisão?). é que recentemente passei a usar um óleo misto diesel/gasolina, um óleo para frotas mistas. Uso nos meus motores Willys e VW a ar, e por isso compro em caixas com um excelente preço. (Esse óleo me saiu num preço tão bom, que, procurando óleo mais em conta para colocar nos filtros de ar não achei, mesmo cotando os de muito menor qualidade. Passei a colocar nos filtros de ar o óleo usado da Faustina, que é muito limpo e atende com perfeição). Esse óleo é o Valvoline Premium Blue, 15W40, que atende as recomendações MB 228.3. Traduzindo isso, é uma norma da Mercedes Bens que, se o óleo atender, ela recomenda a troca em caminhões com 60.000 Km. Segue esse link, que direciona à ficha técnica do Valvoline Premium Blue. Temos diversos e bons óleos similares, como o excelente Mobil Delvac Euro 5 15W-40, ou mesmo o Lubrax Top Turbo, apesar de terem retirado a recomendação também para motores à gasolina da ficha do Lubrax. Fique claro que não estou indicando óleo algum à ninguém. Só estou comentando sobre o óleo que eu faço uso atualmente, e minha pretensão de esticar o uso dele, por causa dessa forma que uso o filtro de óleo.

Os gringos do norte que muito usam o Frantz Filter, costumam trocar o rolo de papel higiênico, digo, o elemento filtrante com 2.500 milhas, que dão 4.023 Km. Eu tenho a prática de limpar o filtro a cada 2.500 Km. Para isso abro o filtro, retiro o elemento, tiro todo o papel higiênico, deixo o elemento escorrer, limpo a gororoba de dentro do copo do filtro, enrolo novo papel higiênico e monto. Com o mesmo cartucho do elemento de filtro, pois ele não impregna de sujeira. Claro que ele será trocado em outro momento, mas esse procedimento aumenta até a vida útil do elemento de filtro. Sei que 2.500 Km pode até ser pouco, mas costumo trocar o óleo com 5.000 Km de uso, e esse tanto seria a metade. Passando a trocar com 10.000 Km, e limpando o filtro a cada 3.333 Km, continuo cuidando muito bem dessa parte nos carros.

Sei que quando colocamos o papel higiênico no cartuchinho de filtro, também acrescentamos uma perda de carga na linha do filtro. Nas primeiras vezes que fiz esse procedimento, um leve amassão apareceu no papel higiênico e no cartucho do filtro, na região da entrada do óleo. Não atrapalhou em nada o funcionamento do filtro. Terminei com essa ocorrência mudando um pouco a montagem do cartucho com o papel higiênico já enrolado, no copo do filtro. Montei o cartucho sem a borrachinha superior, não descendo ele totalmente, e enchendo o interior do filtro com óleo, e ai sim, colocava a borrachinha superior e abaixava o filtro até sua posição correta. Cheio de óleo o filtro não amassaria, pois o óleo faria a resistência por dentro. Essa perda de carga que falei, também vai diminuir o fluxo de óleo através do filtro. Não vejo problema nisso, muito antes pelo contrário, pois vai sobrar uma vazão maior para o motor, e lembrando que um fluxo mais laminar, mais lento dentro do filtro, resultará uma filtragem melhor, mais apurada. E de mais a mais não queremos nem filtrar muito óleo e nem filtrar o óleo todo. Queremos o óleo bem filtrado, limpo. Não é essa a função do filtro, deixar o óleo limpo? O filtro Fram F3 que já faz isso, com esse estranho acréscimo de papel higiênico faz melhor ainda.

Com isso tudo, te aconselho fazer o mesmo no filtro do seu motor Willys. Agasalhe o cartucho com papel higiênico. é rápido, fácil, barato. E seu motor vai gostar muito, mesmo se estiver mais rodado como o do Fuscão. Só para te animar, o motor dele tem 152.000 Km rodados. Normalmente o óleo em um motor desses fica preto e opaco muito rapidamente após uma troca. Instalei o filtro nele tem quase 1.000 Km, quando também troquei o óleo. O óleo dele está caramelo, e caramelo bastante claro. é só olhar o retrato ai para embaixo. Sei que na hora da troca não irá ficar como o óleo da Faustina ou do Edwaldo, que tem o motor todo limpo por dentro por causa da forma que o filtro foi usado desde o motor novo. Mas o motor dele vai durar bem mais que iria.

Abraço à todos,

16/12/2016

Walter Júnior - B. Hte. -
waltergjunior@waltergjunior.com








Propaganda em revista americana do Filtro Fram F3

Gostei muito dessa. Um soldado entregando à um mecânico o filtro testado na guerra.


Propagandas em revistas do Filtro Fram F3

A primeira de 1940, a segunda de 1947.


Propaganda da Fram Brasil
Década de 60 e 70.


Etiquetas adesivas, réplicas, vendidas atualmente
Isso é encontrado na internet. Com uma busca rápida você encontra, caso interesse por esse capricho.


O caminho do óleo para sair do filtro, a maior dúvida sobre o funcionamento dele.
Quando a manutenção do filtro é negligenciada por muito tempo, esse furo entope, e o filtro para de funcionar.
Quem não tem intimidade com esse filtro, fica por entender como ele funciona . Nesse caso é necessária atenção
para encontrar o furo e desentupir, pois a visualização fica muito difícil. A sujeira nele fica da mesma cor do restante.
O diâmetro é algo entre 0,050" (1,27mm) e 1/16"(1,59mm).


Desentupindo o furo
Esse filtro é o do Idelgiro, comprado usado e parado há muito tempo.
Usei uma broquinha de 1/16", girando com a mão mesmo, para limpar o furo.
Dá para ver o espaçador no seu lugar, lá no pé do caninho central.


Kit de instalação do Frantz Filter

é fácil notar que o elemento filtrante tem um formato muito conhecido.



Alternativas ao elementro filtrante do Frantz Filter

No EEUU o uso do Frantz Filter é mais comum. Não sei o preço do refil dele, mas com certeza é mais
caro que o da alternativa que os americanos criaram. Por isso ele é também conhecido por Toilet Paper Filter.



Qual toilet paper eu uso ?
Para enrolar no cartucho do filtro qualquer um ! Mas dou preferência aos que não são daqueles
amassados, pois são o cúmulo da economia de espaço. Coisa inventada para baratear transporte
e que tenta nos obrigar a conviver com essa chatice. Rolo amassado ? Não compro, fica por lá.
Gostaria de usar esse ai embaixo, mas até hoje não encontrei dele para comprar.



Preparando o elemento filtrante.
É só enrolar, até o limite de conseguir montar no copo do filtro.
Engraçado, né? Se falar que colocou papel higiênico no filtro, a turma vai torcer o nariz. Se disser que "implementou o conceito
da micro filtragem, com o uso de toilet paper no filtro de óleo do Jeep", a mesma turma vai querer saber se é plug'n play.
Cada dia que passa fico mais embasbacado com a idiotice... O estrangeirismo, para mim, é a maior expressão dessa idiotice.


O copo limpo e pronto para receber o elemento filtrante.
A gororoba que fica é grossa. Uso uma mangueirinha, puxando com a boca e
assoprando em uma vasílha, para tirar o grosso. Depois é só no paninho mesmo.
Estopa ? Pode até ser. Um fiapo ou outro fica no filtro, não desce para o motor. Mas não arrisco...



Montando o elemento no copo do filtro
Procedimento normal. A diferença é que, na fotografia central é o ponto onde paro, retiro a
borrachinha superior, encho a parte interna do filtro com óleo, e só então abaixo ele até o lugar definitivo.



O filtro do Edwaldo
Ele também recebeu o capricho.



Pronto para fechar
O filtro está no lugar, cheio de óleo, e pronto para ser fechado


Confeccionando a "junta"
A traçagem do diâmetro externo é com a própria tampa. O interno deixo uns 10mm sobrando para dentro
do copo do filtro. Para o diâmetro interno uso qualquer objeto para desenhar o disco.
Mas um cinzeiro feito com pistão de VW 1600 a ar tem mais charme, concorda ?


Montando a "junta" e a tampa
Não tem segredo algum, é só montar.

 


Dando acabamento na junta
Corto com estilete. Esse tem segredo! Tome cuidado para não arranhar a pintura do filtro.





Uma limpeza do filtro, com 2.500 Km rodados
Nos retratos de baixo dá para ver que, apesar de sujo, dava para rodar mais um tanto com o filtro ainda muito eficiente.




Reutilizando o elemento de filtro
Ele não está impregnado com sujidades, Deixo escorrer, enrolo o papel higiênico novo e monto novamente.
Note que na imagem central aparece um amassado no cartucho. Isso é causado pela perda de carga, a resistência que o papel higiênico 
adiciona, e o óleo pressurizado empurra até encher o filtro. Passei a encher o interior do filtro na montagem dele no copo, e esse problema sumiu.


Vareta de nível do Edwaldo
Esse óleo trabalhou sem papel higiênico no filtro durante 3.487 Km. Como o motor é novo, está limpo.
Essa foto e só um registro, para que eu possa acompanhar o desempenho do filtro dele.


O estado do óleo da Faustina
Esse óleo já foi usado por 2.541 Km, e o motor tinha 12.541 Km na data. Registrei
o estado dele durante a limpeza do filtro de óleo, e troca do papel higiênico. Limpinho !...
Por fotografia é mais fácil ver o óleo. Pessoalmente é até difícil enchergar ele na vareta,
e até já usei o lado de trás da vareta, para ter mais facilidade em visualizar o nível.



Vareta de nível de óleo da Faustina
Esse óleo tem 5.000 Km rodados, e registrei a condição dele antes da troca. Note que ele é
translucido, dando para ler tudo embaixo na vareta. Toma logo quatro retratos, com diferentes
luminosidades para ter idéia melhor. Mas garanto que pessoalmente o óleo aparenta até mais limpinho.




Vareta de nível de óleo do Idelgiro
Esse óleo tem 998 Km de uso. é pouco, mas temos que lembrar que o motor tem 152.000 Km, e está
muito sujo, carbonizado na parte interna. Olhando a bomba de óleo que troquei, dá para imaginar como
está o motor dele por dentro. A conclusão é que o filtro dele está funcionando excepcionalmente bem.



Enchendo o motor
Isso é só para lembrar o quanto leva óleo o motor Willys. São 6 litros...



Uma alternativa para o elemento filtrante
Esse elemento é barato, sendo que uso os de melhor qualidade, como Mahle ou Wix(tem haver com a Mann).
Mas tentei prender o cartucho dele com dois tirantes feitos de barra roscada. Isso daria resitência ao cartucho, e eu
enrolaria papel higiênico nele todo, fazendo um cartucho reciclável. Mas ele quebrou um dos discos da ponta, e deixei para
fazer essa experiência da próxima vez que for trocar um elemento filtrante. Não vou destruir um filtro novo para isso, né ?


O desenho em corte do Filtro Fram F3
Não tem indicação do espaçador, que é peça muito importante.
Mas anotei nele o que descobri raciocinando sobre esse espaçador.



Confeccionando os espaçadores do Edwado e da Faustina
Usei um tubo e uma arruela lisa mais espessa. Tudo sucata. Corta, esmerilha e lima e está
pronto, fácil de fazer. A escova de aço deu acabamento. Isso de jeito algum será pintado.
Ele trabalha dentro do óleo, não vai enferrujar, além do mais a tinta pode contaminar o óleo.
A altura total do espaçador é de 1 1/16" ou 27mm.